Futuro Governador terá que equacionar a previdência e ter projeto de longo prazo para o transporte da Grande Natal, diz Kelps

Alguns problemas do Rio Grande do Norte afetam diretamente a perspectiva da população de ter mais oportunidade de emprego. Dois deles são muito graves: o déficit da previdência do Estado e a falta de mobilidade urbana na Grande Natal.

O déficit da previdência gera uma despesa nova de R$ 100 milhões por mês ao Estado. É um dinheiro importante, porque paga aposentados e volta para a economia através de consumo. Mas esse dinheiro deve ser arrecadado através do desconto dos salários dos servidores e, infelizmente, o que se arrecada com esse desconto não cobre os R$ 100 milhões necessários.

A falta desses R$ 100 milhões gera um déficit. E nenhum núcleo econômico, seja um orçamento doméstico, um orçamento pessoal, uma empresa ou um Estado, consegue sobreviver com déficits prolongados. O efeito é a insolvência. E com ela o caos. No caos não há empregos, nem pagamentos de salários, nem serviços públicos funcionando.

Além de equacionar a previdência, o futuro Governador precisa construir um sistema metropolitano de transporte público, que envolva conceitos modernos de mobilidade. Sem esse projeto, a economia vai continuar travada e o Estado perde em geração de empregos.

A economia tem saúde quando as pessoas conseguem se movimentar com rapidez, segurança, agilidade e a um preço justo. Hoje o sistema de transporte da Grande Natal é uma lástima. Na prática ele não existe, porque não há um controle metropolitano, um organismo pensando como integrar os sistemas, deixar as viagens mais rápidas e mais eficientes tanto para quem paga quanto para quem fornece o serviço. Sem transporte adequado, o consumidor não circula, as mercadorias não circulam, a economia não respira e os empregos desaparecem.

O futuro Governador, se não iniciar seu Governo construindo as soluções para esses dois problemas, vai terminar como Robinson e Rosalba, eletrocutado na cadeira elétrica que se transformou a Governadoria no Rio Grande do Norte.

Leave a Reply